Além da capacidade de superar os desafios diários, um negócio de sucesso exige competência para adaptar-se às mudanças que acontecem no mercado. Nesse contexto, o marketing empreendedor se apresenta como uma resposta para a necessidade do modelo tradicional, que se reinventa para obter fontes eficientes e menos onerosas para interação com o público.

O que o torna ainda mais interessante é que o termo não reúne apenas características de publicidade, mas também noções de empreendedorismo. O marketing empreendedor é um conceito que surgiu diante das dificuldades dos pequenos e microempreendedores em ter acesso às noções e ferramentas do marketing tradicional, desenvolvido sob a perspectiva das grandes corporações.

O objetivo é auxiliar os pequenos negócios a conquistar seu espaço em um mercado tão competitivo, mesmo com um orçamento limitado e menos recursos disponíveis, se comparados aos grandes players. As campanhas de comunicação são construídas para destacar os maiores pontos fortes e diferenciais da empresa, enfatizando o seu valor para o cliente. Muito desse trabalho foi facilitado com a popularização da internet. Hoje é possível divulgar a marca pelas mais variadas mídias: Facebook, Instagram, YouTube, e-mail marketing, LinkedIn, entre outras.

Nessa modalidade, as ações são planejadas em pequenos passos, baseadas em metas, pessoas e estratégias montadas com metodologias de sucesso. O que determina a velocidade de cada procedimento são as exigências dos clientes: algumas vezes, a dinâmica precisará de agilidade, enquanto em outras, será necessário um trabalho de longo prazo.
O marketing empreendedor está associado a empresas buscam melhorias e atualização de posicionamento. Independentemente de qual seja o plano adotado, existem alguns princípios que abrangem todos os tipos de empreendimentos.

A seguir, veja quais são eles

Criatividade e inovação: é preciso alinhar as suas campanhas com a linguagem do público-alvo, de modo que elas despertem a curiosidade e atraiam as pessoas para um envolvimento mais próximo. Outro aspecto relevante para esses quesitos é a importância de saber direcionar as ações de marketing para os canais de comunicação certos. Por exemplo, as campanhas projetadas para o Facebook têm uma dinâmica diferente daquelas estruturadas para o Instagram.

Atingir potenciais clientes: um projeto de marketing só pode ser desenvolvido depois que uma empresa determina vários aspectos sobre seu modelo de negócios, sobretudo as estratégias mais eficientes para atingir potenciais clientes. A partir de uma autoanálise criteriosa, as empresas emergentes podem definir o seu lugar no mercado e estabelecer metas realistas. Assim, uma companhia que atua no formato B2B não deve investir em vídeos virais e engraçados no Youtube para atrair clientes profissionais, por exemplo.

Usar a rede de relacionamentos: o marketing por meio de redes sociais nada mais é do que entregar experiências únicas de consumo para que seus clientes se transformem em verdadeiros embaixadores da marca. A ideia principal é desenvolver ações que ajudem na construção de uma identidade para a marca, criando uma percepção de como ela contribui para a vida das pessoas e a melhor forma de desenvolver esse objetivo é proporcionar boas experiências de consumo.

Oferecer serviços excepcionais: nada melhor para promover uma marca do que oferecer serviços excepcionais. Afinal, não adianta ter os melhores recursos de marketing e levar conteúdo de valor para a sua audiência se os produtos ou serviços não refletem a qualidade prometida. Lembre-se de que, em um mercado tão competitivo, os mínimos detalhes podem fazer toda a diferença na fidelização de um consumidor, e o atendimento de qualidade é uma peça-chave para obter sucesso nessa missão. Empresas que valorizam o planejamento de marketing têm plena consciência do quão relevante as interações bem executadas são para os resultados do seu negócio e posicionamento da marca no mercado.



*Georgia Roncon é empresária e empreendedora com mais de 13 anos de experiência em gerenciamento comercial, marketing, desenvolvimento de equipes, criação de produtos e implementação de cultura organizacional e inovação, atualmente é Co-Founder do ECQ Lifelong Learning.

Comentários