abrasel

O Carnaval de 2019, realizado três semanas mais tarde do que em 2018, e o verão mais quente do que no ano passado foram decisivos para a retomada do crescimento da indústria cervejeira neste começo de ano

O Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (Sindicerv), que reúne a Ambev e a Heineken, cervejarias responsáveis por 85% da produção no país, informou ao Valor Econômico que as vendas no Carnaval totalizaram 1,3 bilhão de litros. Esse volume representou um crescimento de "um dígito médio a alto" (5% a 9%), em comparação ao total vendido durante o período de festa em 2018. "Foi o melhor desempenho dos últimos quatro anos", afirmou Luiz Nicolaewsky, superintendente executivo do Sindicerv. O executivo disse que esse volume equivale a 10% das vendas de cerveja previstas para o ano. Para 2019, o sindicato projeta crescimento de 5% nas vendas no país, para 13 bilhões de litros.

De acordo com levantamento da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), as vendas de cerveja em bares e restaurantes cresceram 8% durante este Carnaval, em relação ao de 2018.

Nicolaewsky observou que, neste ano, as festas pré-carnavalescas (ensaios e blocos) foram feitas ao longo de fevereiro e na primeira semana de março. Em 2018, as festas ficaram concentradas na primeira quinzena de fevereiro. Além do prazo dilatado, o setor foi favorecido pela melhora no ambiente macroeconômico nos últimos 12 meses. "Há uma perspectiva de otimismo com o novo governo federal. Isso ajuda a estimular o consumo", afirmou o executivo.

Segundo o Sindicerv, a Ambev e a Heineken investiram em torno de R$ 100 milhões no Carnaval deste ano, patrocinando 850 eventos. Suas marcas foram expostas a aproximadamente 40 milhões de pessoas no país. Os gastos de 2017 não foram informados.

A Ambev patrocinou pelo terceiro ano consecutivo o Carnaval de São Paulo, com orçamento de R$ 16,1 milhões. O patrocínio foi feito com a marca Skol. A cervejaria também foi parceria oficial no Carnaval de Belo Horizonte e fez patrocínios no Rio, em Salvador, Recife, Fortaleza, Porto Alegre e Florianópolis, além de blocos em todo o país. "Ficamos muito felizes com a repercussão e aceitação da Skol Puro Malte. Impactamos mais de 40 milhões de pessoas, em mais de 700 blocos, festas e trios apoiados", afirmou Thiago Levy, diretor financeiro e de relações com investidores da Ambev.

A Heineken usou a marca Amstel, de cerveja puro malte, para patrocinar blocos em São Paulo e o Festival Baixo Augusta. No Rio, a empresa patrocinou dois camarotes no sambódromo da Sapucaí e festas. A marca Schin, mais popular, foi usada no patrocínio de blocos em Salvador. A Devassa patrocinou blocos e o camarote em Salvador e Recife. "Todos os anos a companhia realiza ativações em diferentes Estados. Neste ano, foram 127 eventos patrocinados pelas marcas Schin, Devassa e Amstel e os resultados atenderam às expectativas para o período", informou a Heineken em nota.

O Grupo Petrópolis, terceira maior cervejaria do país, escolheu a cerveja Petra Origem para patrocinar o Camarote Salvador. A companhia também usou a marca para patrocinar ensaios, festas e blocos. Com a marca Itaipava, a cervejaria patrocinou a Marquês de Sapucaí e o Camarote Itaipava, além de outros quatro camarotes.

Fonte: Valor Econômico

Comentários