abrasel

Foram 156,8 mil contratos em 2019

Criado por meio da reforma trabalhista de Michel Temer, em 2017, o trabalho intermitente intermitente vem crescendo ano a ano. Eram 156,8 mil trabalhadores que utilizavam o formato em 2019, contra 61,705 no ano anterior. Alta de 154% no período. Os dados são do Rais (Relação Anual de Informações Sociais), divulgados nesta 2ª feira (26.out.2020), pelo Ministério da Economia. Leia a íntegra (1 mb).

A modalidade de trabalho intermitente permite jornada em horários e dias alternados. O funcionário recebe pelas horas trabalhadas, incluindo os valores do INSS e FGTS, além das férias e 13º salário proporcionais. Segundo o documento, os setores com maior criação de vagas intermitentes foram: serviços (73.336), comércio (42.290) e construção (23.605). As mulheres representavam 61% dos contratos (96.343) e os homens 39% (60.413).

NO GERAL, EMPREGO CRESCEU 2%

O número de empregos formais avançou 1,98% no ano passado (923.096 postos). Em 2019, havia 47.554.211 empregos no mercado formal. Em 2015, o país havia encerrado o ano com 48,06 milhões de empregos formais. A tendência de crescimento dos empregos formais foi interrompida pela pandemia de covid-19, que atingiu o Brasil neste ano.

Do total de vínculos formais registrados no fim do ano passado, 79,3% eram celetistas (trabalhadores do setor privado submetidos à Consolidação das Leis do Trabalho), 18% eram estatuários (servidores públicos submetidos ao Regime Jurídico Único) e 2,7% tinham outros vínculos, como aprendizes, contratos temporários e trabalhadores avulsos.

Apesar do aumento no estoque, os rendimentos médios dos trabalhadores formais caíram 1,31% em relação ao ano anterior. Em dezembro de 2019, a remuneração média era de R$ 3.156,02. Em relação aos setores, destaque ficou para a construção, que fechou o ano com 2,16 milhões de vínculos, 9,64% a mais do que 2018.

Fonte: Poder 360

Comentários