abrasel

Abrasel em São Paulo é uma das instituições apoiadoras do evento que acontece até dia 15 de setembro; Consumo de pescados disparou 50% em dez anos no País, mas ainda tem espaço para crescer

Quem acha que o brasileiro só come pescado na Semana Santa e o Natal está enganado. A oferta de pescado per capita no Brasil (importações + produção nacional – exportações) chegou ao melhor patamar em oito anos: 9,04 kg/hab/ano, segundo estimativa do 5º Anuário Seafood Brasil para 2018. Atualmente o consumo global é de 20 kg/capita/ano, segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO/ONU). Com a estratégia de diversificar o hábito alimentar de proteínas e estimular o consumo de todos os tipos de peixes, moluscos e crustáceos, o Instituto ProPescado promove, entre os dias 1º e 15 de setembro, a Semana do Pescado.

Em sua 16ª edição, o evento acontecerá em diversas capitais do País e contará com ações que garantam o acesso da população a diferentes opções. “Sabemos que o brasileiro muitas vezes deixa de comer pescado porque acha o seu preço elevado. Mas há mais de 400 espécies comerciais para todos os bolsos e gostos que poderão ser encontrados durante e depois da campanha”, avalia Roberto Imai, diretor do Instituto ProPescado. “Por isso, estimulamos o envolvimento de toda a cadeia produtiva neste evento, desde pequenos produtores até as grandes redes de varejo”, explica.

Além disso, a iniciativa tem como objetivo ampliar o debate sobre a evolução brasileira neste que é o setor com maior faturamento entre todas as proteínas animais no mundo. Em 2018, o Brasil produziu mais de 800 mil toneladas de peixes e camarões em cativeiro, segundo a Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR) e a Associação brasileira de Criadores de Camarão (ABCC). Se somarmos a oferta estimada de 700 mil toneladas da pesca continental e marinha e a informalidade, a disponibilidade nacional de pescado chega a 1,5 milhão de toneladas. Já as importações representaram quase 360 mil toneladas no mesmo período. Assim, a produção nacional de pescado representa 82% da disponibilidade de pescado, enquanto apenas 18% do pescado consumido no Brasil vem do exterior. A tilápia segue como protagonista da piscicultura nacional, que atingiu 400 mil toneladas em 2018, segundo a PeixeBR.

Além disso, a produção de camarão no Brasil cresceu aproximadamente 18% em 2018, chegando a 77 mil toneladas. Outro pescado promissor é o atum, cuja pesca chegou a 54 mil toneladas no ano de 2017, segundo dados do anuário, representando um crescimento de 6% em relação ao ano anterior.

A Semana do Pescado 2019 é organizada pelo recém-criado Instituto ProPescado e tem o patrocínio da ABIPESCA (Associação Brasileira das Indústrias de Pescados), ABRAPES (Associação Brasileira de Fomento ao Pescado), ASMI (Alaska Seafood Marketing Institute) e Seafood From Norway (Bacalhau da Noruega). Conta ainda com o apoio institucional de entidades como a SAP/Mapa (Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), CNA (Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil), CEAGESP (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), SESI-SP (Serviço Social da Indústria em São Paulo), ABRASEL (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados), PEIXEBR (Associação Brasileira da Piscicultura), SINDIPI (Sindicato dos Armadores e da Indústria de Pesca de Itajaí e Região) e o Conepe (Coletivo Nacional de Pesca e Aquicultura).

Fonte: Dinheiro Rural

Comentários