abrasel

Sebrae disponibiliza conteúdos orientativos para donos de pequenos negócios do segmento de alimentação fora do lar. Empresários podem baixar materiais de apoio, como checklist, modelo de cartazes e displays

Estabelecimentos seguem orientação de distanciamento entre mesas

Após mais de quatro meses de pandemia do corona vírus no país, com atendimento restrito ou, até mesmo, com atividades suspensas, bares, restaurantes e lanchonetes, pouco a pouco, voltam a funcionar em muitos estados brasileiros. Com a reabertura, o empresário tem um novo desafio pela frente: atender às exigências para o funcionamento com atenção às medidas de segurança e higiene e estar preparado para receber clientes cautelosos e com novos padrões de consumo.

De acordo com pesquisa recente feita pelo Sebrae, em todo os estados e DF, ouvindo mais de 1.500 empreendedores do ramo de alimentação fora do lar, com o avanço da Covid-19, 54% dos estabelecimentos tiveram perdas acima de 75% no faturamento, com destaque para serviços de bufê, que foram mais impactados. Na opinião do presidente do Sebrae, Carlos Melles, a retomada deve ser feita com acompanhamento para garantir segurança e equilíbrio no caixa. “Estamos diante de um novo momento de consumo, e o empreendedor precisa se reinventar para atrair clientes para dentro de seus negócios. É fundamental implementar as ações de prevenção ao corona vírus e comunicar com transparência as adaptações providenciadas.”, explica Melles.

Diante desse cenário e focado em apoiar os donos de pequenos negócios nessa retomada, o Sebrae preparou uma série de dicas práticas a serem seguidas pelos proprietários de bares, restaurantes e lanchonetes.

Premissa

Assegurar que a população possa voltar a frequentar bares, restaurantes, lanchonetes, cafés e demais negócios de alimentação fora do lar com a garantia das condições higiênico-sanitárias dos estabelecimentos

Orientações gerais

• Atenção aos decretos estaduais e municipais, normas das instituições reguladoras e protocolos oficiais.
• Acompanhe diariamente as atualizações voltadas para o segmento e implemente o que estiver oficialmente estabelecido.
• Foco na segurança das pessoas (colaboradores, fornecedores e clientes).
• Os cuidados com a segurança dos alimentos precisam ser reforçados.
• As boas práticas descritas na Resolução RDC 216/2004, Regulamento Técnico de Boas Práticas

Cuidado com o espaço

Uma das primeiras preocupações do empreendedor ao retornar suas atividades deve ser a adaptação do ambiente de negócio para garantir a segurança dos colaboradores e consumidores. De maneira geral, é importante manter o mais alto padrão de higiene, reforçando cuidados com a limpeza de todo o estabelecimento.

Os procedimentos de compra, recebimento e armazenamento de alimentos e mantimentos devem ter cuidados redobrados com a higienização. A entrega de fornecedores deve ser feita em uma área exclusiva para esse fim e esse local deve ser higienizado com uma frequência maior.

O uso de máscaras faciais e a disponibilização de álcool em gel são unanimidade em todos os negócios e valem para clientes, funcionários e proprietários. Toalhas de tecido nas mesas devem ser evitadas; e, se usadas, precisam ser trocadas a cada cliente. Uma alternativa é a colocação de plásticos transparentes mais rígidos sobre as toalhas que possam ser desinfetados após cada cliente. Evite também colocar objetos sobre as mesas.

Outra orientação importante consiste na redução da capacidade de público do estabelecimento, de modo que seja possível uma separação mínima de 1m entre as cadeiras de clientes e 2m entre as mesas. Para isso, é possível inutilizar, por meio de sinalização, parte das cadeiras e mesas. Importante também promover o distanciamento de 1m entre pessoas nas filas, na entrada, ou para o pagamento. Os empresários podem, por exemplo, fazer marcações no chão com essa distância. Estabelecer o distanciamento também vale para o pessoal da cozinha que pode, se possível, ser dividida em turnos.

Experiência do cliente

Com todo estabelecimento pronto para receber as pessoas, é fundamental investir em uma experiência positiva para o cliente. Deixe uma pessoa na entrada para recepcionar e dar boas-vindas aos que chegam, orientando a respeito do distanciamento nas filas e demais dependências do local. Para evitar o compartilhamento de objetos entre os clientes, ofereça alternativa ao tradicional cardápio, como lousas, modelos plastificados (higienizáveis) e cardápios digitais, com acesso aos produtos por leitura de QR Code no celular. Quando possível, ofereça e incentive a opção de delivery ou atendimento com hora marcada, com a opção de o cliente ir até a loja apenas para buscar a refeição.

Dicas práticas

Para o ambiente:
 Diminua a capacidade de público do estabelecimento conforme estabelecido no decreto do seu município/estado.
 O ambiente deve ter boa ventilação, mantendo portas e janelas abertas.
 Sistema de ventilação revisado e higienizado e fluxo de ar não incidindo diretamente nas mesas, pessoas e alimentos.
 Os pratos, copos, talheres e guardanapos de papel devem ser oferecidos ao cliente com proteção.
 Intensifique e aumente a frequência da higienização das instalações dos sanitários de uso de colaboradores e clientes.
 Cardápios, mesas, cadeiras e maquininhas de cartão devem ser higienizados após cada uso com álcool 70%.

Para os colaboradores:
 Realize reuniões de alinhamento periódicas reforçando as medidas junto aos colaboradores e capacite sua equipe com frequência sobre as principais precauções que devem ser tomadas no trabalho.
 Emita comunicações sobre evitar contatos muito próximos, como abraços, beijos e apertos de mão.
 Oriente quanto ao trajeto casa-empresa-casa e o uso de uniformes, que devem ser colocados apenas no local de trabalho.
 Treine a equipe para falar sobre as medidas de segurança, utilize cartazes no salão e nos banheiros, displays de mesa, dentre outros.
 Crie um ambiente para que eles guardem os objetos pessoais.
 Uma boa dica é colocar um tapete desinfetante ou mesmo álcool em um borrifador para higienizar o calçado, logo na entrada.
 Mantenha uma rede de contato com os colaboradores para que qualquer sintoma seja reportado e oriente casos suspeitos a procurarem ajuda médica.

Atendimento aos clientes:
 Dê as boas-vindas nos primeiros dias, informando as regras de funcionamento neste momento de retomada.
 Se for possível, atenda por meio de agendamento e delivery.
 Fortaleça a comunicação no site do estabelecimento e/ou redes sociais, principalmente para transmitir segurança aos clientes que pretendem voltar a frequentar o estabelecimento presencialmente.
 Organize uma área de chegada para clientes disponibilizando álcool em gel para higienização das mãos.
 Coloque um cartaz alertando que clientes com sintomas (febre, tosse) não devem permanecer no estabelecimento.
 Oriente os clientes a manter a distância mínima de segurança de 1 metro entre si e com os colaboradores.
 Solicite que o cliente use máscara própria ou disponibilize máscara descartável.
 Nos banheiros e lavatórios, coloque cartazes com instruções sobre a lavagem correta das mãos e sobre o uso do álcool em gel, motivando os clientes a fazê-lo.
 Utilize, preferencialmente, comandas descartáveis, eletrônicas ou que sejam de material de fácil desinfecção.
 Se for possível, instale uma barreira física de acrílico ou vidro no caixa.
 As maquininhas de cartão podem ser envelopadas com plástico filme e higienizadas sempre após o uso.
 Retire as garrafas térmicas de autosserviço de cortesia de chá e/ou café.

Você sabia? O material produzido pelo Sebrae foi feito com base em protocolos de segurança de organizações nacionais e internacionais, tais como Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Ministério da Economia, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) e Associação Nacional de Restaurantes (ANR).

Confira o protocolo completo do Sebrae clicando AQUI

Comentários