abrasel

Presidente da Abrasel, em vídeo, diz que medida seria mais positiva se aplicada em escolas, faculdades e órgãos públicos

Exigir o passaporte vacinal em bares e restaurantes é uma medida demagógica, que atinge um setor já muito penalizado na pandemia e seus clientes, sem trazer efeitos práticos. A medida, que vem sendo adotada por alguns estados e municípios, foi criticada nesta sexta-feira (3) pelo presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci. Em vídeo, ele chama a atenção para o motivo alegado - permitir que os atrasados com a segunda dose completem o ciclo vacinal.

No Brasil, cerca de 10% da população encontra-se com a segunda dose atrasada, a maioria jovens e adolescentes. Segundo o presidente da Abrasel, faria muito mais sentido que a medida fosse adotada em escolas e faculdades, com o apoio de educadores e pais. Ele também chama a atenção para o caso do Rio de Janeiro, onde o prefeito Eduardo Paes recuou na medida de impor a exigência para shopping centers com o argumento de que seria difícil a aplicação e fiscalização - mas a manteve para os bares e restaurantes, o que, no entendimento da Abrasel, não faz sentido.

Comentários