abrasel

Milhões de brasileiros optam todos os dias por refeições em restaurantes a quilo. Mas você sabe onde essa modalidade surgiu? Confira na reportagem

Hoje o restaurante de comida a quilo é a escolha diária de milhões de pessoas em todo o Brasil. Mas foi em 1984 que surgiu o primeiro restaurante no mundo oferecendo refeições a quilo, uma invenção do chef mineiro Fred da Mata Machado. De Belo Horizonte, a novidade ganhou todo o país e hoje já está tão incorporada ao dia a dia dos brasileiros que muita gente desconhece a história por trás dessa invenção nacional.

E é justamente para contar essa história, valorizar e promover os negócios de comida a quilo, que a Abrasel realiza entre os dias 12 e 22 de outubro, a quinta edição do concurso O Quilo é Nosso, promovido em parceria com a Prazeres da Mesa e patrocínio da Coca-Cola Brasil e da Sodexo, que vai eleger o melhor restaurante de comida a quilo do Brasil.

Saiba mais sobre essa invenção histórica!

O início

A rigor, restaurante de comida a quilo só existe no Brasil e mais em nenhum outro país. O chef Fred Mata Machado percebeu que as empregadas domésticas, especializadas em cozinhar, estavam desaparecendo dos lares belo-horizontinos.

Ele já era dono do Restaurante Bartolomeu, de comida a la carte. Decidiu que contrataria um par de cozinheiras para realizar algumas receitas bem caseiras, tradicionais nos almoços e jantares dos mineiros.

O sistema seria o de uma loja de comida pronta. A pessoa chegava lá, escolhia o que queria, colocando as porções em uma marmita descartável de isopor. Pesava, pagava e levava embora a embalagem, saboreando a refeição em sua própria moradia.

A ideia

O chef sentiu, então, que havia uma demanda a mais. Percebeu que alguns dos fregueses gostariam de almoçar lá mesmo, dentro da lojinha. Colocou só meia dúzia de mesas e mais umas 24 cadeiras, porque não cabiam mais naquele minúsculo compartimento, virado para a rua.

E assim foi conduzindo seu inédito empreendimento. As muitas manifestações favoráveis que chegavam a ele serviram como um estímulo para que, meses depois, decidisse montar uma primeira filial.

Na sequência, Fred abriu mais um estabelecimento de comida a quilo. A seguir, veio outro, na Rua Prudente de Moraes, que continua aberto, sendo tocado por seu irmão, Maurício. Todos na capital mineira.

Este é o último remanescente dos vários restaurantes inaugurados por Fred Machado, com o nome “Isto e aQuilo”, escrito assim mesmo, com o “a” grudado no “Quilo”, formando uma frase de duplo sentido, que indica variedade das opções de prato e, ainda, a pesagem na balança.

A repercussão

Em dezembro de 1985, um certo empreendedor de Belo Horizonte levou a novidade a Cabo Frio, no Rio de Janeiro. O chef Fred não se animava a montar uma teia de franquias. Ele tampouco se lembra, hoje, quem foi o sujeito que tomou a iniciativa de abrir as portas de uma comida a quilo no balneário fluminense.
Foi ele também o inventor da picanha na chapa, feita na calçada de algum bar, em uma churrasqueirazinha de aço. Uma coisa está ligada a outra. Ele quis transportar um pedaço do ambiente doméstico para os restaurantes de rua. Já que as pessoas não conseguiam almoçar no conforto do lar, por causa dos deveres dos seus ofícios, a mesa doméstica iria até elas.

E assim o Fred resolveu muita coisa. A secretária ou o auxiliar de escritório que, antes do advento da comida a quilo, tinha de matar a fome encostando os cotovelos no balcão ou em uma mesa qualquer, derrotando um sanduíche ou um prato feito, passaram a ter, quase que milagrosamente, a opção de uma extensa e digníssima sequência de travessas, tigelas e réchauds com saladas, ovos cozidos, feijão, arroz, quibe assado, farofa, angu, quiabo, chuchu, frango ensopado, carne moída, macarronada. Tudo podendo ser colocado no prato, na exata medida do seu paladar, da sua fome e do seu bolso.

Serviço
O Quilo é Nosso
12 a 22 de outubro

Comentários