Notice: Undefined variable: base in /var/abrasel.com.br/revista/site/templates/head.inc on line 54

Por Gabriel Lacerda

Ansiedade, depressão e stress estão entre os problemas mais comuns durante a pandemia; para especialista, a melhor saída para prevenir esses tipos de enfermidade é o autoconhecimento

Foto: Shutterstock

Além dos impactos na saúde, a pandemia da Covid-19 provocou danos nos quatro cantos do planeta. Muito além do problema na saúde pública, a crise gerada pela doença está causando impacto muito forte na economia global – e na de muitos países, como o Brasil, em particular. Por ser algo novo e que a sociedade não está acostumada a lidar, problemas secundários, como ansiedade e depressão, começaram a emergir ainda mais nesse período.

E, neste cenário, um dos públicos mais afetados foi o empresariado. Não foram somente comércios fechados, foram histórias interrompidas de bares e restaurantes com 10, 15 ou, até mesmo, 50 anos que, de repente, tiveram que fechar as portas. Os que se prepararam para reabrir estão fazendo malabarismo para lidar com as contas. O momento é difícil sim, não há como negar, mas é preciso manter a mente sã em meio ao caos.

Foto: Divulgação

Nesse novo contexto, a incerteza é um dos grandes problemas enfrentados pela sociedade. Ao se oservar a evolução da humanidade, é possível perceber que o ser humano precisa de segurança para sobreviver, tanto é que ele se aloca em comunidades, interage e sobrevive. Quando um grande desafio chega, como a pandemia, e coloca o ser humano frente a riscos que ele não estava pronto para enfrentar, a incerteza aparece e o medo surge trazendo consigo a preocupação e a ansiedade. Mas o que fazer neste momento para tentar lidar com o problema?

Para responder essa pergunta a equipe de reportagem da Bares & Restaurantes conversou com o psicólogo e diretor da BrainCloud, Paulo Jelihovschi, que falou das melhores maneiras para lidar com este momento.

1 – Dialogue, troque ideias, proseie, converse...

Sim! Umas das melhores coisas a fazer em momentos difíceis é conversar com outras sobre o que está acontecendo.

Ao falar sobre os seus problemas, você conecta ideias e libera suas angústias e quem está ouvindo começa a ter novas perspectivas a respeito de um assunto. Segundo Jelihovschi, é importante ouvir não somente o que você gosta, mas estar preparado para ouvir pontos de vista diferente do seu. “Estar aberto a escutar o que possa nos desagradar é um grande exercício de crescimento pessoal, ao mesmo tempo que abre nosso mundo para ideias que antes desconhecíamos ou até que rejeitávamos movidos por julgamentos e preconceitos. Aliás, vencer esses julgamentos e preconceitos é algo fundamental para verdadeiramente assimilarmos as novas ideias, e consequentemente agir de forma mais consciente”, explica o psicólogo.

Pessoas que fazem parte do seu círculo profissional podem ter opiniões diferentes da sua, converse com seus colaboradores e fornecedores para entender o lado deles. São pessoas que estavam com você antes da pandemia e podem te ajudar a entender como superar este momento. Esses diálogos podem abrir seu horizonte e te ajudar a tomar decisões complexas.

2– Tente se conhecer

Pode parecer um dos maiores clichês que existem, mas é fundamental você se perguntar: por que eu faço as coisas do jeito que eu faço? Entender a forma que você age, seja em casa ou no trabalho, diz muito sobre você. Por natureza, a gente evita mudar o nosso jeito de ser. Difícil? Sim, muito difícil. Mas é importante fazermos essa reflexão, pois quando nos apegamos demais a um caminho e não olhamos para o restante, perdemos diversas oportunidades.

E qual a melhor maneira para fazer isso? A dica mais eficaz, segundo o psicólogo Paulo Jelihovschi, é prestar atenção no seus pensamentos. “Uma dica nesses casos é criar uma rotina para conversar consigo mesmo. Anote seus pensamentos e ideias em um caderno (ou num grupo de WhatsApp em que só você faz parte) e uma vez por dia fique sozinho, em um espaço tranquilo, para olhar para essas ideias e refletir sobre elas. Esse exercício pode mudar a forma como você vê a si mesmo, e te ajudará a ser mais senhor de suas próprias ações. Muitas vezes temos que tomar decisões rápidas ou fazer planos que afetam a nossa vida e a vida de outras pessoas num curto espaço de tempo”, relata o especialista.

3– Você não é super-herói. E isso é normal.

Imagine que você agora tenha que fazer mil coisas ao dia no trabalho, em casa, se alimenta mal, não consegue dar atenção para família e amigos, dorme mal, enfim. Tanta coisa para fazer e ainda tem uma pandemia para complicar as coisas. Bem, você não é onipresente e nem tem superpoderes, por isso é fundamental que você saiba seus limites. É importante descansar, relaxar, mesmo que pareça difícil diante de tantas dificuldades.O momento atual vem exigindo muito de você.

Vão ser decisões difíceis que impactam na sua vida e na vida de terceiros. Acontecerão erros e acertos e você vai precisar lidar com todos eles. Não ache que você irá conseguir abraçar o mundo, pois não somos heróis. Faça aos poucos, pense e aja. Lembre-se de descansar a mente e o corpo.

É um fator biológico: o corpo precisa descansar. Então, pare um pouco para pensar. Realizar atividades em excesso sem ter pausas e condições adequadas vai te deixar pior e ninguém quer ir para o hospital numa época dessas, certo?

Além disso, Jelihovschi reforça que é importante da conversar em momentos assim, inclusive a diálogo consigo mesmo. “É fundamental que as pessoas não acreditem que são ruins porque erraram, e caso fiquem chateadas porque aquilo que elas fizeram não surtiu o efeito desejado, respirem fundo e peçam ajuda. Pedir ajuda não é para os fracos. Como conversamos anteriormente, é bom escutar outras pessoas. Elas podem nos ajudar de formas que, às vezes, nem esperávamos” diz. “Preste atenção em seus pensamentos. Caso você esteja sendo tomado por pensamentos negativos, por cerca de duas semanas e se seus pensamentos estiverem evoluindo para pensamentos autodestrutivos, como vontade de tirar a própria vida, busque ajuda profissional imediatamente”, lembra o psicólogo.

4 – Filtros

Não é preciso dizer que temos acesso à informação o tempo todo. Basta um click e temos milhares de informações. E, claro, manterse informado é fundamental, são esses dados que vão te ajudar a tomar decisões e entender o momento. Mas é preciso dosar.

Se você fica exposto a determinada informação por um tempo excessivo, pode ser que aquilo torne-se para você uma verdade. Mas existem mais outras coisas que você precisa ao invés de um único só assunto.

Leia, veja séries e filmes, fique com família, com o cachorro, se aventure na cozinha e passe menos tempo no computador e em frente à televisão. Ah, mas claro, cuidado com as fake news. Infelizmente, elas estão sempre na cena.

Foto: Divulgação

5– Movimente-se

Se jogarmos no Google a importância da atividade física para o corpo vamos achar vários resultados, e não é à toa. A prática regular de esportes evita problemas de saúde e libera doses saudáveis de endorfina em nosso corpo.

Movimente-se em casa mesmo. Não fique parado. É importante pensar que mesmo com deveres a se fazer, um tempo para fazer atividade física vai te ajudar a esfriar a cabeça e relaxar. Sempre que possível, busque ajuda de um profissional da área para te auxiliar com os exercícios. Supere-se.

6– Amanhã é um novo dia 

A famosa frase “depois da tempestade vem a calmaria” se encaixa perfeitamente neste contexto. Esse momento vai passar e as coisas vão sim se ajeitar. Acredite. Entretanto, precisamos pensar nessa retomada e estar preparados para a diversidade dos cenários que podem acontecer.

De acordo com Jelihovschi, ter paciência e otimismo serão fundamentais nesse novo momento. “O primeiro dia da reabertura do seu negócio pode ser frustrante. Talvez você venda muito pouco, talvez nada, mas acredite que o dia seguinte será melhor. Uma das maiores qualidades dos empresários de sucesso são o otimismo e a capacidade de acreditar em si mesmo e nas pessoas que estão em sua volta. Lembre-se também que seu negócio não é apenas a forma que você encontrou para ganhar dinheiro, mas também o meio que você encontrou para ser relevante na vida de terceiros, a forma que você se realiza como pessoa”, relata.

“Será uma reconstrução, tijolo a tijolo, do seu negócio e do seu trabalho. Tenha em mente que a jornada da vida é essa: dura, por vezes complicada, mas bem mais amena quando compartilhamos esse caminho cercado de pessoas que podem nos ajudar a chegar aonde desejamos”, completa.

Comentários